sexta-feira, 7 de maio de 2010

Eternas crianças


 Acabei de ver num programa de TV uma entrevista com um rapaz que sofreu um acidente de carro quando criança, e por conta disso passou sua infância inteira no hospital.
 Ele relatou que ao retornar ao local que viveu grande parte da sua vida, as coisas se tornaram bem menores do que pareciam.
 Pois é, as coisas sempre parecem maiores quando se é criança, a curiosidade por tudo que é novo, as travessuras, o tempo que custa a passar, coisas de criança.
 Um homem bom que conheço sempre diz que somos eternas crianças, eu também acredito nisso.
"Eternas crianças", isso soa tão forte.
 Ontem mesmo eu assisti vários trechos do filme "O pequeno príncipe", até então eu só tinha lido o livro, e havia me esquecido de como é uma bela obra.
 Logo no início o garotinho pede ao Homem que lhe desenhe um carneiro, depois de várias tentativas o homem cansado de fazer carneiros que não caíam em seu gosto, desenha-lhe uma caixa com alguns buracos na lateral, diz a ele que o carneiro está la dentro e é pequeno, sendo assim, não teria problema em leva-lo para o seu planeta, o garotinho entãoinclinando a cabeça sobre o desenho, diz:
- Não é tão pequeno assim, olha!

 E isso é oque não devemos perder de tudo, essa tal pureza e imaginação que há em uma criança, por mais dura que seja a realidade.

 Ps: esse sou eu na foto, devia ter uns 6 anos de idade.
 Sejamos eternas crianças

7 comentários:

Mundo do Gê disse...

Tinha olhos travessos esse caipira mas muito sério, mas os olhos por serem travessos sorriam, e o sorriso da boca, ele escondia...por pura travessura...Rsrssss
Gostaria de ser amigo desse menino caipira...para juntos na roça, fazermos estripulias...subirmos nos pés de goiaba, fazer pipa, tomar banho de rio...Vida de menino feliz...
Pois é meu caro Rafa, crescemos...eu me recuso envelhecer..Descobri que tenho síndrome de Peter Pan...embora velho por fora sigo menino por dentro...Como vc disse "Somos eternas crianças", mas para isso precisamos nos permitir sermos crianças....trazermos o menino que temos no coração pela mão!

Abraço!

Ellen Lacerda (Elinha) disse...

Ai Rafael... Adoro o pequeno príncipe! Mas não com os clichês que todo mundo vê... Eu gosto justamente por essa simplicidade que vc acabou de mostrar...
Ele nos ensina que devemos olhar através de para poder compreender...
Linda sua foto! As melhores lembranças trazemos da infância, não é mesmo?
Como sempre um ótimo texto!
Ah, já te disse que tenho um grande amigo chamado Rafael?
O coração dele é repleto de muita sensibilidade, assim como o seu...
Ótimo domingo!
xero!

Pensamento aqui é Documento disse...

Que gracinha a foto.

Adoro Pequeno Princípe, uma obra de uma verdade singela e bela.

Desconfio que tenho síndrome de Peter Pan, pela saudade exarcebada que tenho pelos tempos de infância, rs.

Mas ainda aposto nas crianças e velinhos como os nossos mestres, quem sabe um dia alguém me ouve.

Beijo, Rafa.

Thiago dos Reis disse...

5 anos o caramba. tinha 7. e eu aposto.

que cara de jeca caipira meo

sim, o peqpríncipe é bom por causa dessas coisas, o livro dá socos na sua cara enquanto vc lê.

ele grita e clama por "VEJA A PUREZA MERDA"

é fogo

Castilho disse...

Que foto linda! Saudades Rafusca!

Carla P.S. disse...

Lindo você!

Eu concordo piamente, se perdemos a doçura, a vida perde o colorido. Sem o bom-humor é quase insuportável continuar. Nada como gargalhadas, abraços e a despretensão de um interlocutor meigo.

Um café!

Daniel Savio disse...

Crianças por serem puras, também não tem noção de seus limites...

Fique com Deus, menino Rafael.
Um abraço.

metrópole

metrópole
Estava chovendo lá fora

Preocupação com simetria, exatidão, ordem, seqüência ou alinhamento