sábado, 15 de maio de 2010

Sem título


- O que você faria se eu estivesse me despedindo pra nunca mais voltar?
- Depende... isso seria pro seu bem?
- O que tem isso a ver?
- Se fosse pro seu bem eu me conformaria, ficaria triste, claro; mas te apoiaria pois você iria ficar legal.
- "Nossa", como você consegue? Se fosse o contrário eu tentaria fazer com que você mudasse de ideia.
- Isso seria um tanto egoísta da sua parte!
- Eu sei, mas eu não ficaria bem mesmo sabendo que você estaria melhor distante.
- Eu já passei por isso algumas vezes, e mesmo sabendo que nunca mais veria a pessoa, eu a apoiei até o fim
- É um tanto triste.
- Sim, é triste, mas não se preocupe, eu não vou embora.
- Talvez eu vá.

[imagem, 4:30 da manhã, sem programação na TV]

11 comentários:

Ellen Lacerda (Elinha) disse...

A atitude do verdadeiro amar é permitir que o ser amado alcance sua plenitude, onde quer que esteja, façamos nós parte ou não disso...

Linda imagem! Vc que tirou a foto?

ótima semana, xero.

Rafael disse...

Sim,obrigado,bj

Leandro blogger disse...

Verdadeiramente não sei se conseguira deixar uma pessoa que gosto parti assim... Mesmo que seja para o bem dela...


Eu ainda não aprendi a magia do desapego não....Mais de qualquer forma, somos todos assim meio que egoístas..


ha gostei da imagem....

Daniel Savio disse...

Mas as vezes, a vida simples se resume uma escolha, e que esta escolha seja mais feliz possivel..

Fique com Deus, menino Rafael.
Um abraço.

Mundo do Gê disse...

E aê Grande Rafa,como andas meu camarada?
Bom, sabe não consigo me imaginar vendo alguém que parte para não voltar, mas consigo me ver sendo esse alguém que parte, ou melhor já partiu para não voltar...E acabou voltando, ou melhor, acabei voltando...As pessoas que nos cercam fazem com que a gente seja o que somos, e quando estamos longe delas, só queremos estar perto, o mais perto possível...

Abraço!

Thiago dos Reis disse...

excelente. vou plagear a ideia e publicar. tô pensando se vou dar créditos.

acho que sim.

Grato!

Natália disse...

Falava com umas amigas sobre a diferença entre amor e paixão. Seu conto, como todos os bons, anda, neste caso, por estes dois extremos.

Apesar de ser adepta de grandes emoções, prefiro a serenidade do amor. Da fraqueza de apertar os braços, de tomar posse. O coração calmo, paciente.

Mas talvez não seja só isto que o seu texto me desperta. Há uma expectativa camuflada numa sinceridade, dançando entre os dois, e eu gosto.

E gosto mais ainda de ler seus textos, tento aprender.

Beijos

DJ disse...

Ohhh Céus!!!! Os diálogos, até virtuais, se repetem!!! Por que as pessoas são assim??!!!
Não sou egoísta!!! Por isso deixarei vc partir... caso queira ir...
Mas se quiser ficar... será um prazer conhecê-lo melhor!

Rafael Ayala disse...

Poxa, que complicado não é mesmo?

Dois grandes amigos viajaram recentemente. Um foi fazer um mestrado e outro passou em um concurso.

Não vou mentir que fiquei um pouco triste pela partida, mas fiquei muito mais feliz pela conquista dos dois.

A amizade, sinônimo de amor, tem dessas coisas. Ficar feliz pelas vitórias dos amigos. Querer sempre vê-los bem, ainda que distantes.

Abração!
=]

DJ disse...

Foi uma prazer!!! Volte sempre!!!

sblogonoff café disse...

Eu odeio tudo!
(esse texto dói)
(explicações só por msn!!!)

Saudades

metrópole

metrópole
Estava chovendo lá fora

Preocupação com simetria, exatidão, ordem, seqüência ou alinhamento