quinta-feira, 8 de abril de 2010

Cadê a compaixão?


 Hoje, infelizmente pude constatar por duas vezes que está cada vez mais difícil encontrar por aí a compaixão pelo próximo
 Estava eu na Quilométrica fila do Banco a quase vinte minutos, quando ao meu lado surge uma pobre velhinha que aparentava seus oitenta e tantos anos de experiencia.
 Na ocasião eu já era o segundo da fila, prestes a ser atendido, esperei que o homem na minha frente cedesse o lugar à senhora, que meio perdida olhava pro caixa e pra fila.
 Mas o rapaz nem se importou, sendo assim, cheguei até ela e disse que não precisava esperar e a coloquei na minha frente.
 Atrás de mim começou um burburinho de pessoas que não concordaram com a minha atitude, é claro que eu não estava nem aí, por que havia feito a coisa certa!
 A velhinha aposentada não demorou nem cinco minutos, sacou seu dinheiro e se foi.
 Depois, lá pelas três da tarde quando eu estava indo almoçar, eis que surge na minha frente um pobre senhor caído no meio da rua, eu imediatamente parei minha moto e fui em sua direção, apanhei sua bengala e o velho me estendeu a mão pedindo ajuda, notei que haviam dezenas de pessoas na praça e num bar ao lado, ninguém "ABSOLUTAMENTE NINGUÉM FOI AJUDÁ-LO"
 Eu o ergui do chão e insisti em levá-lo até a farmácia que trabalho para cuidar dos ferimentos, mas ele me agradeceu muito, dizendo que não precisava, que morava bem próximo dali.
 Eu fui embora me questionando por que as pessoas estão tão frias, isso não deveria acontecer, ESTOU NUMA CIDADEZINHA DE 15 MIL HABITANTES, as pessoas tem a obrigação de serem acolhedoras, onde está o amor pelo próximo? onde é que está a compaixão?

( Foto de Aidê Londe, minha vó, por quem tenho muita compaixão )

12 comentários:

Mundo do Gê disse...

Grande texto Rafael, terminei de ler o mesmo e já corriam lágrimas pela minha face...
É a mesma pergunta que me faço, onde está a compaixão das pessoas, onde está o respeito pela experiência que essas pessoas adquiriram?
Acho que as pessoas pensam que jamais envelhecerão, que jamais precisarão de uma mão estendida para ajudá-los a se levantar quando perderem sua bengala, que jamais terão seus joelhos fracos e cansados aos seus como disse você setenta e poucos anos de experiência, para esperar que gentilmente alguém lhe ceda o seu lugar na fila do banco, do mercado, da farmácia...
Sabe gostaria de ter a minha Vó comigo...mesmo que precisasse carregá-la no colo...e juro teria na face o mais belo sorriso de felicidade...Sabe Rafael, são poucas as pessoas decentes para reconhecer e dar valor a pessoas tão especiais como os idosos...Somente pessoas de coração puro, sabem fazer isso!
Parabéns pelo texto!
Abraço.
Gê.

Felipe Cardoso Barbosa disse...

Tchê, é foda isso. As pessoas não se respeitam mais.

Eu fico muito de cara, quando no ônibus pessoas sentam no lugar reservado pra idosos/gestantes/deficientes e não levantam quando um desses precisa.

Fila então, a maioria não da seu lugar pro idoso.

É por isso, que apesar de ter seus problemas, a Europa consegue um nível de sociedade melhor que aqui... as pessoas se respeitam um pouco mais.

Se é lugar pra idoso, é lugar pra idoso e ponto. Se organizam no trânsito... fazem fila corretamente ... apesar de muitos considerarem o europeu um povo mais "frio" que o brasileiro, no fim eles acabam se preocupando mais com o próximo do que aqui.

Pelo menos, foi essa imagem que eu tive no período que morei fora.

Leandro blogger disse...

Nossa cara tem gente que realmente é assim “invencível”!
E dizem que ajudar estar na alma do brasileiro
Fico feliz por essas pessoas que você ajudou e fico mais feliz por você cara, que é uma pessoa bacana, rara de se encontrar!

Lindo texto até me emocionei ai cara serio, e refletir muito aqui também.
A propósito sua avó e muito bonita.
Abraços!

Flavih Jones disse...

é tão fácil ser bom e educado. Não sei pq as pessoas sempre escolhem ser ruim.

Beijooo

Ellen Lacerda (Elinha) disse...

Concordo plenamente Rafael.
Trabalho em um consultório médico e vejo muitas coisas assim, desde idosos sem acompanhamento até idosos acompanhados pelos próprios filhos sendo muito mal tratados...
É muito triste, mas é real.
O amor está verdadeiramente esfriando do coração das pessoas, que buscam apenas os próprios interesses e só dão valor ao material.
Restam poucos que valorizam o que é de fato importante.
Parabéns por seu um deles!
xero.

danis disse...

Abafa que era falta de competencia minha mesmo kkkkkkkkkkkkkkkk

Sobre a tal da compaixão, acho que o termo melhor é responsabilidade mesmo.
http://en.wikipedia.org/wiki/Kitty_Genovese#Psychological_research_prompted_by_the_murder

Myrella Andrade disse...

Eu também acho.O termo é responsabilidade.
Sentir que cada pessoa,coisa ou lugar te pertence e é sua obrigação fazer tudo que puder pra ajudar.
Gostei daqui :)
beijos!

Carlos. Branco. disse...

Caro amigo Rafael,
gostei do texto e ele veio em uma otima hora, as pessoas estao cada vez mais frias, individuais e burras a cada dia que passa.
Eu fico me perguntando aonde vamos parar com esse mundo que estamos vivendo hoje.
Aonde vamos parar?

Rafael Ayala disse...

Poxa, é triste constatar tal falta de compaixão, de fraternidade.
Aquela coisa de o que me preocupa não é os discursos dos ruins, mas o silêncio dos bons (é uma coisa parecida com isso).

Eu me pergunto muito sobre o que ando fazendo, se estou fazendo a minha parte, não em um sentido religioso, mas num sentido humanitário mesmo. Bonitas atitudes, ainda tem muita gente boa nesse mundo, mas se houvessem cada vez mais como você, ele seria bem melhor.
abraço
=]

Daniela disse...

Sinto como se cada pessoa andesse em um mundo só seu, ela vê os prédios, as ruas, sinal mas simplesmente não vê as pessoas. E o mais triste é que todos estamos agindo dessa forma querendo ou não. Ficamos cada vez mais trancados dentro de casa assistindo tv ou então no computador. Cada vez mais vejo pessoas tendo mais facilidade em conversar umas com as outras por msn que pessoalmente. Elas simplesmente travam cara a cara. E então quando vamos a rua é como se as outras pessoas simplesmente não existissem... E os exemplos que citou, não é nada perto do que se pode observar pelas "ruas desertas" a não ser que seja conveniente, claro.Triste... Mas é aquela velha história se cada um fizer sua parte ao menos ao nosso redor pode ser diferente! =D

Lins disse...

Concordo contigo e boa parte dos que comentário...educação é de beço, infelizmente nossa cultura é fruto de uma educação muito mais trágica que épica...O povo se educa via BBB10 com um professor como O "heroi dourado". Respeitar o outro ihhhh só começam quando sentem na pele a discriminação pelo fato de ser velho (eu não concordo, mas é assim que funciona). Eu procuro sempre ser educado com as pessoas, tratá-las da forma que gostaria com que me tratasse hoje e em meu futuro...

Bem, valeu pelo bom texto.

Daniel Savio disse...

Infelizmente, é assim o novo estilo de vida que vivemos...

Mas sempre há focos de resistência de bondades.

Fique com Deus, menino Rafael.
Um abraço.

metrópole

metrópole
Estava chovendo lá fora

Preocupação com simetria, exatidão, ordem, seqüência ou alinhamento