quarta-feira, 4 de novembro de 2009

Amor platônico


 Maria sua idiota, agora é tarde demais
 Não acha que depois de tudo que o fez passar ele a deixaria de lado?
 Depois das noites que o fez esperar por você em vão,
das tardes nostálgicas que lhe deu de presente em vez de abraços,
das manhãs que o deixou acordar sozinho chorando.
 É Maria... as palavras foram duras para que ele pudesse suportar
 Você foi cruel ao extremo e isso faz de você a pior pessoa do mundo
 Sente falta dele agora, não é?
 Que pena Maria, tarde demais!
 Sim, esse é o apartamento onde ele morava,
mas lamento, não vai encontrá-lo aqui.
 Deixe de ser estúpida Maria, pare de chorar.
 Como você é imbecil.
 Ele nunca esqueceria, ele nunca a esqueceu realmente.
 Não vê suas fotos coladas no mural?
 Não vê as cartas de amor sobre a mesa?
 Ele nunca esqueceu você de verdade.
 Apenas morreu atropelado certa noite quando voltava do trabalho.

4 comentários:

Daniel Savio disse...

Meio triste e revoltoso...

Espero que no final das contas, ambos possam se encontrar, mesmo que seja na próxima vida...

Fique com Deus, menino Rafael.
Um abraço.

Carlos. disse...

não faça isso comigo meu caro amigo.

UAHSUHAUHSHAUSHAUAS

se lembra de um poema meu,
ele se matou,
mais sabia que iria se encontrar com ela.

muitoo bom.

será que começo a fazer contos?

Pensamento aqui é Documento disse...

É a consciência que conversa com ela?

Triste, mas de uma narrativa envolvente.

Gostei, como sempre.

Beiijos

sblogonoff café disse...

Mas que trágico!!!

metrópole

metrópole
Estava chovendo lá fora

Preocupação com simetria, exatidão, ordem, seqüência ou alinhamento