segunda-feira, 5 de maio de 2008

Nada mudou


Depois de um tempo sem vê-la
ela reaparece e passa por mim
parece não me reconhecer
Tento segurá-la pelo braço, mas ela me escapa
assim como escapou anos atrás.
Nada mudou
Sua pele macia, que me tirava o sono
seu olhar profundo, seus lábios carnudos
seus longos cabelos, suas mãos.
Ela vai em direção ao nada
e eu a sigo com a esperança de tê-la comigo
Então acordo com o canto do pássaro
Abro a janela e lá esta ele,
sozinho em uma manhã gelada.

9 comentários:

Letras Soltas disse...

lindo o texto vc quem escreveu?

^^

Rafael disse...

Obrigado pelo comentario,volte sempre.

Rafael disse...

sim,escrevo todos :D

Yu disse...

talvez enqnto busquemos um determinado alguém para amar sejamos sempre passarinhos sozinhos numa do lado de fora de uma janela. já se nos permitirmos amar talvez enconremos alguns varios passarinhos em janelas vizinhas q ao tenhamos visto neah?


ótimo texto!
bjos

Rafael disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Rafael disse...

claro q sim,vc esta certa,devemos nos permitir a isso,as vezes ficar sozinho por um longo tempo é bom.
sempre haverá vizinhos de janela que não vemos.

obrigado pelo comentário

Letras Soltas disse...

ja devia ter vindo aqui pra responder seu recado mas estava sem tempo, ^^

achei seus texots super criativos vc tem alma de escritos


bju

dj disse...

Lindo o texto!

Rafael disse...

obrigado,voltem sempre :D

metrópole

metrópole
Estava chovendo lá fora

Preocupação com simetria, exatidão, ordem, seqüência ou alinhamento