segunda-feira, 3 de março de 2008

Medo



As lágrimas de dor secaram, mas deixaram rastros
O vento levou as nuvens negras, mas a chuva ainda não caiu
Os abutres debandaram, mas continuam a sobrevoar
Me sinto despreparado, suspenso no ar por todos os lados
como a bela lindonéia, a gioconda do subúrbio
que lia foto novela e morreu aos dezoito anos,
sem encontrar um amor.
Oque acontecerá comigo?
isso realmente eu não sei!
Talvez daí venha o medo
o medo do novo e diferente
Como os primeiros traços que formam o esboço
nunca se sabe oque se passa na cabeça de um artista
que rumo iram tomar aqueles traços.

4 comentários:

Gaia disse...

"O homem apenas teme aquilo que desconheci"

Pois tudo o que é novo, o que é desconhecido, não estamos preparados para enfrentar, para lhe dar com a situação, mas creio que com o tempo logo aprendemos.

O futuro é sempre incerto, por isso temos que estar sempre vivendo o presente, mas não acho que pensar no no amanhã e planejar não seja bom :)
Ainda mais se for com alguma pessoas que também pensa em te-la em seu futuro ;)

Beijos!
Visitarei novamente! :)
Até breve!

Rafael disse...

Agradeço sua passagem em meu blog,obrigado pelo comentário

Thiago dos Reis disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
Rafael disse...
Este comentário foi removido pelo autor.

metrópole

metrópole
Estava chovendo lá fora

Preocupação com simetria, exatidão, ordem, seqüência ou alinhamento